Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Elza Soares pede passagem com reedição em LP de álbum de 1972

Compartilhe:
elzapedepassagem

Com arranjos do pianista Dom Salvador, disco marcou a volta da cantora ao Brasil após período vivido na Itália.

Após viver dois anos na Itália, país onde morou e trabalhou entre 1970 e 1971, Elza Soares retomou a carreira fonográfica no Brasil em 1972 com o álbum Elza pede passagem, editado pela gravadora Odeon.

Relançado no formato original de LP neste segundo semestre de 2019, o disco é boa amostra da modernidade perene do som da cantora naquela época, quando ninguém imaginava que, mais de 40 anos depois, Elza seria transformada numa entidade da música brasileira a partir do retumbante álbum A mulher do fim do mundo (2015).

Com arranjos do pianista Dom Salvador, um dos arquitetos do samba-funk, o álbum Elza pede passagem foi gravado em janeiro e lançado em março daquele ano de 1972.

Feito sob a direção musical do maestro Lindolfo Gaya (1921 – 1987), o 15º álbum da discografia da cantora carioca flagra Elza no fim do auge artístico da primeira fase da carreira, mas ainda com toda a bossa negra que encantou o Brasil a partir de 1959.

Neste disco, Elza pediu passagem para cantar repertório dominado pelo samba e formado por músicas inéditas ou então recentes como Mais do que eu (João Nogueira, 1972), Maria vai com as outras (Toquinho e Vinicius de Moraes, 1971), O gato (Gonzaguinha, 1972), Pulo, pulo (Jorge Ben Jor, 1970) e Saltei de banda (Zé Rodrix e Luiz Carlos Sá, 1972).

Com capa que expõe a cantora de cabelo black powerElza pede passagem é disco que mostra todo o fôlego de Elza Soares. Contudo, em 1972, a cantora Clara Nunes (1942 – 1983) já começava a ser a prioridade da gravadora Odeon no nicho do samba.

Tal preferência fez com que Elza, após gravar álbum solo em 1973, acabasse forçando a dissolução do vínculo contratual que a matinha ligada à Odeon desde 1959, abreviando o fim dessa primeira fase áurea da discografia.

Dura na queda, a cantora-fênix renasceria diversas vezes (em 1984 e em 2002, sobretudo) até ser definitivamente consagrada com o álbum A mulher do fim do mundo.

Deixe seu comentário:

Curta no Facebbok

Siga no Instagram

No images found!
Try some other hashtag or username